Quarenta - Pompa - Crônicas Debochadas

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Quarenta

CONTOS

Eu havia desistido de trabalhar para o governo devido à enorme quantidade de denúncias de corrupção. A decepção foi tão grande que eu me mudei para uma chácara distante de Brasília e durante aquele período apenas meia dúzia de galinhas e alguns porquinhos me fizeram companhia.

Porém, esse tipo de fuga às vezes acaba mais rápido do que a gente prevê.E como eu estava bem acostumado com aquele ambiente político de Brasília, eu acabei sucumbindo ao primeiro telefonema que eu recebi enquanto eu via o capim nascer naquela longínqua chácara:

-Volte para cá imediatamente, Pompa. Disse meu ex-chefe. Precisamos das suas ideias.

-De jeito nenhum, chefe.Estão todos muito corrompidos por aí.Uma verdadeira decepção.

-É que o governo quer criar o quadragésimo ministério, Pompa. Haja imaginação para criar tantos ministérios,cacete. Nossas ideias acabaram.

-Chefe, existem atualmente trinta e nove ministérios e vocês ainda querem criar mais um?Isso é loucura.

-É um serviço bem remunerado, Pompa. Nós não conseguimos imaginar mais nada, rapaz. Só você mesmo para bolar algo novo.

-Você disse bem remunerado, chefe?

-Isso mesmo, Pompa. Bem remunerado.

-Eu já estou descalçando as minhas botas e vestindo o meu terno. Daqui há poucas horas estarei aí em Brasília.

-Ok, Pompa.

Enquanto eu dirigia de volta para Brasília, fiquei imaginando em como realizar uma ideia tão absurda. A criação do quadragésimo ministério poderia se tornar um escândalo nos jornais e consequentemente na opinião pública. Tudo o que o Brasil menos precisava naquele momento era de mais um ministério.

Uma parada providencial

Eu já estava quase chegando em Brasília quando parei num posto de gasolina para abastecer. Ao lado do posto, havia uma lanchonete com uma faixa anunciando:

VENDEMOS DOCES CASEIROS

Desci e resolvi conferir aquelas iguarias antes de encarar aquele amargo serviço que me esperava na Esplanada dos Ministérios.Me fartei de goiabadas, doce de leite, doce de mamão, marmeladas e etc. E foi graças a um daqueles doces que a ideia da criação daquele ministério começou a ganhar a minha imaginação.

Minutos antes da Coletiva de Imprensa

-Você tem certeza do que vai anunciar, Pompa? Perguntou meu chefe antes da minha sabatina com os jornalistas.

-Claro, chefe. Pode deixar comigo. Eu nunca falhei com vocês.

-É verdade, Pompa. Você é o cara.

-E a minha grana? Já está na conta?

-Metade do dinheiro está na sua conta, Pompa. A outra metade vai depender da sua performance.

-Ok. Obrigado.

Eu entrei no auditório, subi no púlpito e respirei fundo. Eu cumprimentei os jornalistas e apesar de estar um pouco apreensivo eu disse o que eu pensava a respeito daquilo tudo:

-É claro que existem ministérios demais no Brasil. Trinta e nove ministérios é um número absurdo mesmo. Na verdade, o que nós precisamos é da redução desse número e não da criação de mais algum.

O auditório ficou em silêncio e eu fui em frente:

-O que eu vim propor aqui é a criação de um único ministério para o Brasil. Um ministério que tenha um produto como símbolo e que represente muito bem o cenário político atual.Portanto, é com pompa e circunstância que eu anuncio a criação do Ministério da Marmelada.

Alguns jornalistas riram e outros aplaudiram.Muito poucos ficaram indiferentes ao que eu falei. Quanto a mim, fiquei sem receber a segunda parcela da grana que haviam me prometido.

Pompa/ 2017

 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal