Proibido - Pompa - Crônicas Debochadas

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Proibido

CONTOS

Clichê

Você prende o seu cabelo/ me olha de lado/transforma o dia nublado
Faz aquele charme/ finjo não entendo/ mas por trás estou vendo
Daí chego mais perto/ segunda intenção/estou quase no refrão
E você esquiva/ e faz o seu jogo/e eu me finjo de bobo
Vamos em frente um pouco beber/encaro isso como lazer
Eu sei no fundo é até clichê/você fugir e eu te deter
Vamos em frente um pouco beber/encaro isso como lazer
Eu sei no fundo é até clichê/você fugir e eu te deter
Deter!
Eu e você/ pagamos para ver/você é meu bem querer
Ter você/ de noite ou de dia/Traz uma grata alquimia
Traz uma grata alquimia/Traz uma gata que mia.

Celestial

Eu acho estranho hoje em dia
Muito mais do que a minha tia
Que muitas das meninas
Já não querem namorar
É tanto desapego
Ausência de compromisso
Como se o bom e velho amor
Fizesse mal para o juízo

Eu sei que é bom ficar
Beijar na boca e não casar
Ir pra cama e só transar
No outro dia nem ligar
Mas meu bem
Um eu te amo é estrelar
Mas meu bem
Um eu te amo é estrelar

Então tente apostar
Ao menos uma vez
Quem sabe até duas
Quatro, cinco ou até seis
Eu sei que é perigoso
E pode até te machucar
Mas pior do que a dúvida...
É morrer e nem tentar.
Mas pior do que a dúvida...
É morrer e nem tentar.

Proibido

É proibido calar
É proibido sofrer
É proibido parar
É proibido não ter
É proibido engordar
É proibido perder
É proibido sonhar
É proibido desaparecer
Então... Tudo vai ficando chato.
Politicamente correto.
E padronizado! E padronizado! E padronizado! E padron!

Pompa/2018
 

 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal