Gol de Placa - Pompa - Crônicas Debochadas

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Gol de Placa

CONTOS


Paquerar uma garota dentro de um bar durante a Copa do Mundo me exigiu paciência e jogo de cintura. Porém, ao final da partida, consegui finalmente sair do zero a zero:

- Oi, garota? Eu sou Pompa. Você bate um bolão, sabia?

- Sério?

- Seriíssimo. No meu time você tem vaga garantida.

- Vou pensar no seu caso, Pompa.

- Um canhão, moça.

- O que?

- Um canhão! O Phillippe Coutinho acabou de mandar um canhão para o gol adversário. Você não viu ali no telão?

- Um canhão? Pensei que você estivesse me chamando de feia ou algo assim.

- De jeito nenhum. Você é linda. O futebol é que tem um vocabulário inusitado muitas vezes.

- Agora você disse uma coisa certa, Pompa. O futebol tem umas expressões inusitadas mesmo. Outro dia eu escutei um narrador dizer que um jogador havia feito um Gol de Placa e não entendi o porquê desse nome. Até que eu encontrei a resposta.

- E que resposta foi essa?

- A expressão Gol de Placa surgiu quando Pelé marcou um gol em 1961 numa partida no Maracanã entre o Fluminense e o Santos. Esse gol foi tão bonito que foi homenageado com uma placa comemorativa. Essa foi a primeira vez que um gol recebeu uma condecoração dessas no Brasil. Até hoje a expressão Gol de Placa é usada quando alguém quer dizer que um jogador fez um gol muito bonito.

- Agora quem marcou um Gol de Placa foi você, garota. Belíssima explicação.

- Obrigada.

- Eu quero homenagear a nossa amizade e a sua explicação. E como eu não tenho uma placa para oferecer, estou te convidando para tomar um Chopp. Você aceita?

- Claro! A placa a gente deixa para o Rei, Pompa.

Pompa/2018







 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal