Arte Moderna - Pompa - Crônicas Debochadas

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Arte Moderna

CONTOS

Alguém devia ter filmado o Pompa, pois sem que ele tivesse feito qualquer mal foi interrogado certa manhã.

-Metamorfose, bom dia?

-Eu gostaria de falar com o Pompa.

-É ele mesmo. Quem fala?

-Aqui é o Kafka. Eu sou o responsável pelas câmeras de vigilância do prédio.

-Kafka? Que nem o escritor?

-Isso mesmo. Eu estou ligando para dizer que o senhor foi filmado saindo do banheiro sem lavar as mãos e será processado por isso.

-Como é que é?

-Nós temos um vídeo do senhor cumprimentando a nova diretora com as mãos imundas inclusive. Dessa vez não tem como você escapar, Pompa.

-Mas que maluquice é essa, Kafka? Estou virando personagem de um dos seus livros? Sequer existem câmeras de filmagem dentro dos banheiros, meu caro.

-São as chamadas Novas Diretrizes, seu Pompa. Basta cumpri-las que nós o deixaremos em paz.

-E que Novas Diretrizes são essas que ninguém me informou absolutamente nada?

-Ninguém pode alegar o desconhecimento de uma lei para não cumpri-la, Pompa.

-Você deveria mudar de nome, Kafka. Deveria se chamar Salvador Dalí. Ele é que o mestre das situações surreais como essa de ir ao banheiro e não lavar as mãos. Aliás, tenho um nome de um artista ainda melhor para nossa história: Marcel Duchamp.

-E quem é esse Duchamp, Pompa?

-Marcel Duchamp foi um pintor e escultor francês que conseguiu fazer de um urinol uma obra de arte, Kafka.

-Urinol?

-Isso mesmo. Um urinol.

-Então terei que enquadrar esse Duchamp também, Pompa. Onde já se viu fazer de um urinol uma obra de arte e sair impune desse jeito?

-Isso é o que o falecido poeta Ferreira Gullar também se questionava, Kafka.

-Ferreira Gullar?

-É um falecido poeta brasileiro. Você não conhece.

-Agora está começando a dar um nó na minha cabeça, Pompa. Colocar na mesma história Salvador Dalí, Kafka, Duchamp e Ferreira Gullar já é demais.

-E o Pompa também, poxa.

“Que a arte nos aponte uma resposta, mesmo que ela não saiba”.

Ferreira Gullar (1930–2016)

Ferreira Gullar e o mictório que mudou o rumo da arte estão no artigo do Jornal Correio Braziliense logo abaixo.



Pompa/2016
 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal